E o Kazaa voltou menos rebelde e mais Napster

Compartilhe!

    Kazaa

    E o Kazaa voltou a dar o ar da graça na web. Um dos maiores ícones da história musical de download P2p, o serviço desenvolvido pelo sueco Niklas Zennstrom e pelo dinamarquês Janus Friis confirmou o seu retorno com um mesmo fim, mas com um outro comportamento.

    Sem data oficial para o lançamento de seu novo site, Kazaa garante seguir as leis de direitos autorais. Ou seja, de vilão tornou-se o novo aliado das gravadoras. A ferramenta musical começa a funcionar nesta semana – em fase Beta (experimental) – e com uma característica peculiar de boas startups, como o Spotify e Hulu: restrito.

    Kazaa será voltado apenas e exclusivamente ao público norte-americano. A idéia partiu da Brilliant Digital Entertainment, que detém os direitos do serviço musical e faz uma política do mais do mesmo quando se trata de músicas na web: serviço de assinatura que oferece música e toques de celular com artistas de grandes gravadoras, como EMI e Warner.

    Kazaa trilha o mesmo caminho de nichos como o seu e não traz nenhuma novidade. Logo, não acredito no projeto. Empresas como a Brilliant devem saber que música não é um cunho musical de exclusividade na internet.  Serviços restritos e pagos devem ser sinônimos de conteúdos exclusivos.

    Por isso que sou a favor de modelos híbridos, um mix de conteúdo pago e aberto, como o jornal norte-americano Wall Street Journal faz: é voltado a um público específico que só vai ter a informação que quer neste ambiente. O mesmo acontece com o Hulu. Quanto mais específico, melhor.

    Kazaa dá murro em ponta de faca. Last.fm e Blip.fm estão aí para contar a história. Kazaa só mostra que volta menos rebelde e mais Napster.

    Compartilhe!
      • http://www.blogblogs.com.br Fernando Lima

        Olá!

        Seu post virou destaque na home do BlogBlogs :)

        Abraços
        Fernando Lima
        BlogBlogs
        http://blogblogs.com.br

      • Marlos

        Tem razão, para ser cobrado tem que ser exclusivo. Um modelo híbrido poderia ser uma alternativa viável, mas a ganância de alguns executivos, creio, torna-o inviável.

      • http://derepente.com.br Rafael Sbarai

        @Marlos,
        Exato. Agora tem que ver qual(ais) possível parceria o Kazaa irá fazer. Senão, sua atitude será bem 2004.