Como não é bom dizer adeus a Google

wsj-contra-google

Conheci hoje o terceiro capítulo da novela envolvendo a ríspida discussão de apropriação de conteúdo jornalístico envolvendo Rupert Murdoch, o magnata das pubicações, e a Google. Nesta semana, o TechCrunch disponibilizou um gráfico de como seria o Wall Street Journal, carro-chefe impresso do australiano, sem a indexação de seus conteúdos ao principal símbolo de buscas da web.

A partir de dados estatísticos extraídos do HitWise, métrica não-oficial que tem uma “certa credibilidade”, WSJ perderia 27% de sua audiência mensal com a política de Luis XIV desenfreada por seu dono, Murdoch, ao proibir a visualização de conteúdos do jornalão em buscas do Google. O estudo baseou-se apenas nos Estados Unidos, principal nicho de tráfego da publicação.

O mais interessante é conhecer como há uma grande parcela de retorno de tráfego proveniente do Google News. Quase metade dos 27% provém do agregador de notícia que é alvo de ataques de diversas empresas de comunicação. Entre elas, a AP, uma das mais tradicionais agências de notícias do mundo.

Os números só refletem no pensamento do meu último post aqui no blog. Aos poucos, Wall Street Journal e os outros 37 jornais de Murdoch tornar-se-ão mais centralizadores e menos distribuídos.

Links relacionados
O NYT convoca leitores para tomar decisões e mostra como o WSJ anda na contramão

  • Carlos Henrique

    Rafael, excelente post.

    Isso mostra a dependência que qualquer um pode ter com um site de buscas.

    A relevância nas primeiras páginas é vital para um certo retorno de tráfego.

  • nadja pereira

    Rafael! Ótimo post! Me arrisco a dizer que, será um dos grandes capítulos da história do jornalismo, a atitude do WSJ.

  • http://derepente.com.br Rafael Sbarai

    @Carlos Henrique,

    Tem uma certa dependência e não podemos usar um pensamento egocêntrico para a não proliferação de informação. Murdoch e seus jornais só têm a perder com uma atitude como esta.

  • http://derepente.com.br Rafael Sbarai

    @Nadja,

    Diria que este capítulo já começou com a AP e o Murdoch vai levantar essa bandeira de maneira enfática. Vamos ver até onde ele consegue chegar.

    Os mecanismos para tirar todo e qualquer conteúdo da Google está na web. Então, espero por essa atitude, já que ele “fala bastante”.

    Bj

  • Welton Trindade

    Eu não entro nesse debate porque ele é infrutífero! Publicidade em site não dá dinheiro para grandes corporações! Fato! Eu só discuto cobrança de conteúdo premium. Isso sim!