Curso de Comunicação e Análise de Dados na Era do Big Data na FAAP

Curso de Comunicação e Análise de Dados na Era do Big Data na FAAP

Estão abertas as inscrições para o curso de Comunicação e Análise de Dados na Era do Big Data da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), projeto do qual serei coordenador, ao lado de Alec Duarte. O programa, com duração de três meses, faz parte do projeto de evolução do curso de Comunicação em Dados (Jornalismo de Dados), ofertado na instituição no fim do ano passado.

Continuar lendo

Twitter muda o visual. E fica mais parecido com o Facebook

novo-visual-perfil-twitterNa tentativa de angariar mais usuários, o Twitter anunciou nesta terça-feira sua primeira grande mudança visual no ano. A nova interface, disponível a um grupo restrito de usuários, será aplicada tanto nas versões web como naquelas exibidas em dispositivos móveis. É, sobretudo, uma reprodução fiel ao layout do maior rival, o Facebook.

Continuar lendo

Chris Cross, do Guardian, ministra palestra de visualização de dados na Faap

chris-cross-guardian-faapNa próxima quarta-feira, às 19h30, no centro de convenções da Faap, em São Paulo, Chris Cross, designer de interação e um dos profissionais do time de visualização de dados do jornal britânico The Guardian, fará uma palestra especial às pessoas interessadas no universo da comunicação digital. Para se inscrever, acesse o site do Hacks and Hackers e preencha o cadastro. A entrada é gratuita.

Continuar lendo

Um cenário — quem diria — otimista para o Jornalismo

u-s-display-advertising-by-type

Nesta quarta-feira, o Pew Internet Research divulgou a mais nova edição do The State of The News Media, relatório anual sobre as perspectivas do mercado do jornalismo americano. É a pesquisa mais importante no setor — e discutida aqui, no blog, desde 2008. O levantamento, relativo ao ano de 2013, escancara os problemas do setor, carente de inovações, mas apresenta — quem diria — uma versão otimista do jornalismo por duas razões: titãs acostumados a fazer dinheiro no mundo virtual iniciam investimentos em empresas de mídia e relativo sucesso de novas publicação com DNA digital. Um ponto, no entanto, foi encoberto por uma grande montanha de dados: a capacidade de criar equipes multidisciplinares.

Continuar lendo

O que o Facebook quer com uma empresa de óculos de realidade virtual?

oculus-vr-facebookO Facebook surpreendeu o mundo, mais uma vez, ao adquirir por 2 bilhões de dólares a fabricante de óculos de realidade virtual Oculus VR, uma das maiores apostas do universo de games. Desse montante, 400 milhões de dólares foram pagos à vista e o restante, 1,6 bilhão, transformado em 23 milhões de ações do Facebook. A negociação, concretizada pouco mais de um mês depois do anúncio da compra do app de mensagens instantâneas WhatsApp, poderia demonstrar certo interesse da maior rede social do planeta no mercado dos jogos. Engano. Ao arrematar a startup, a companhia reforça sua estratégia: independente do canal, o negócio de Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, é a comunicação.

Continuar lendo

Paper é nova estratégia do Facebook para cativar usuários

Paper-aplicativo-Facebook-leitura-noticiasNa semana passada, quando completou uma década de vida, o Facebook apresentou aos mais de 1,2 bilhão de usuários o aplicativo Paper, novo projeto da companhia dedicado à área móvel. Disponível apenas a usuários de dispositivos da Apple com uma conta vinculada ao território americano, o app reúne atualizações de usuários e notícias mais relevantes escolhidas a partir de uma combinação de algoritmos e edição humana – sim, é um trabalho conjunto de editores e robôs. Trata-se do melhor recurso já desenvolvido pela empresa para os dispositivos móveis e uma evidente estratégia de Mark Zuckerberg para estimular os usuários a ficar nas páginas da rede social.

Continuar lendo

O pano de fundo do sucesso do Buzzfeed

buzzfeed

Como um foguete, o Buzzfeed se tornou um dos destinos on-line mais visitados do mundo. Principalmente entre os (valiosíssimos) jovens, grupo que – apontam estudos controversos – não curte mais o Facebook. Criado em 2006 por Jonah Peretti, cofundador do Huffington Post, o site já é reconhecido como a bíblia dos modernos: seus textos mesclam notícias a conteúdos descompromissados, humor e, evidentemente, memes. Seu valor: vender distração, assim como fazem seus concorrentes Twitter e Facebook.

Continuar lendo

Google+ em 2014: é vai ou racha

GOOGLE CALMA A LOS INVERSORES CON UN INCREMENTO DE BENEFICIOS DEL 26 POR CIENO ano de 2014 será decisivo para o Google+, um dos mais ambiciosos projetos desenvolvidos pelo gigante de buscas. Por um lado, há um cenário favorável. O arquirrival Facebook dá sinais de cansaço (ou melhor, os usuários jovens da maior rede social do mundo emitem tais sinais…), alvejado por novos concorrentes, como os aplicativos WhatsApp e Snapchat. O outro lado, contudo, mostra que a rede do Google tem muito o que fazer. A caminho dos três anos de vida, ele já possui meio bilhão de cadastrados (metade do Facebook), mas essa gente pouco visita a plataforma. A saída pode ser induzir os adeptos de outros serviços do Google a usar a rede social. É vai ou racha.

Continuar lendo

Instagram Direct expõe estratégia do Facebook para segurar jovens

[cmsgallery id=”facebook-2012″]

Nesta quinta-feira, o Instagram anunciou o lançamento do Instagram Direct, recurso que permite enviar mensagens de texto – sempre relacionadas a fotos e vídeos – em modo privado para grupos de até 15 pessoas. Já disponível para os sistemas operacionais iOS, da Apple, e Android, do Google (ainda não há previsão de lançamento para Windows Phone), a funcionalidade faz parte de uma ação estratégica traçada pela nave-mãe do Instagram, o Facebook, para enfrentar a fadiga de alguns usuários, principalmente os adolescentes, com seu ambiente. Com o Direct, o gigante das redes sociais procura o antídoto para seu rejuvenescimento. Atrair os jovens, contudo, não é tarefa fácil.

Continuar lendo

Por que a Apple adquiriu o Topsy por 200 milhões de dólares

Apple-compra-TopsyA gigante americana Apple está mais social. Nesta semana, a empresa adquiriu o site Topsy, ferramenta que mensura e monitora em tempo real conteúdos publicados no Twitter e Google+. Ao arrematar a startup por cerca de 200 milhões de dólares, a companhia reinicia uma trajetória em um universo no qual não tem bom histórico.

Continuar lendo