É o fim do Editor de Mídia Social?

Em agosto de 2010, o físico e editor-chefe da revista Wired, Chris Anderson, recebeu os holofotes virtuais para sentenciar a morte da web. Seu argumento é baseado no crescente uso de dispositivos móveis que possibilitam acesso à internet sem passar por algum endereço www. Não convenceu. O mesmo aconteceu com o iPod, e-mail e, recentemente, com o Facebook. Sentenciar o fim de uma plataforma ou profissão em detrimento da tecnologia já não é mais novidade. Chegou a hora, contudo, do cargo de editor de mídia social.

Continuar lendo

A TV na web: o HTML5

 HTML5

O HTML5 (Hypertext Markup Language, versão 5) é uma linguagem de marcação para a criação e interpretação do conteúdo exibido na internet. Para que qualquer conteúdo seja exibido na internet, a sua construção deve seguir os padrões do HTML.

Atualmente, a linguagem de marcação se encontra na sua quinta versão, e tem como principal melhoria o suporte para recursos multimídia e a incorporação de uma sintaxe que contribui para a criação de elementos semânticos, fazendo com que a linguagem seja produzida e lida de maneira mais fácil por humanos e melhor interpretada pelas máquinas.

Como produtor multimídia, achei legal levantar aqui os principais recursos do HTML5 e suas relações com a produção, distribuição e exibição do audiovisual. Dessa forma, pretendo criar argumentos para entendermos os rumos de uma “nova TV”.

Continuar lendo

O Brasil criou seu mercado de startups. O Jornalismo, por ora, não percebeu

O Brasil, enfim, começa a acompanhar o crescimento (e amadurecimento) das chamadas startups locais – empresas que têm geralmente em seu DNA a inovação e operam com lógica de experimentação rápida, segunda a qual apenas as ideias que logo se mostram promissoras recebem os maiores investimentos. Até recentemente, empreendedores e investidores brasileiros deslocavam seus negócios – e atenção – para o Vale do Silício, região na Califórnia, Estados Unidos, região que respira tecnologia. Hoje, contudo, os testes começam a ser verificados em solo nacional. O Jornalismo, uma das áreas que mais carece por inovação, acompanha atentamente o setor. Bem distante. Com um binóculo.

Continuar lendo

O fracasso da TV Digital no Brasil

TV Antiga

A primeira transmissão de televisão no Brasil foi em 1950 com a exibição ao vivo do Frei José Mojica cantando na TV Tupi. Desde então, a industria passou por diversas transformações tecnológicas, estruturais e de conteúdo. Os programas ganharam cor, as torres de radiodifusão e os satélites levaram a TV para locais distantes e remotos e a programação se diversificou nos canais a cabo, abordando temas de nicho para públicos específicos.

Continuar lendo

O Twitter decidiu: quer ser uma empresa de mídia

Durante a penúltima edição do All Things Digital Media Conference, em janeiro de 2012, nos Estados Unidos, o CEO do Twitter Dick Costolo foi incisivo e direto ao se referir ao modelo de negócio da companhia. “Nós não somos uma empresa de mídia“, garantiu. De fato. A responsabilidade fundamental da rede é criar uma plataforma, e não desempenhar uma função editorial. Seu argumento é, no mínimo, plausível: “Participar de negócios envolvendo empresas de mídia não faz de nossa companhia um novo rival no mercado”, finalizou. Mas o microblog que nasceu com o objetivo de promover a troca de mensagens de texto no âmbito empresarial cresceu, ganhou asas e parece querer mudar seu trajetória. Hoje, seu passarinho azul parece apontar para um universo cada vez mais conhecido pelo Jornalismo – e seus jornalistas.

Continuar lendo

Da Escassez à Plenitude na Televisão Brasileira

No modelo tradicional de distribuição audiovisual são os donos do conteúdo que controlam os horários em que os filmes ou os programas de TV são exibidos. Esse padrão característico do broadcast é chamado pelo pessoal do Instituito de Tecnologia de Massachusetss (MIT) de modelo da escassez.

Continuar lendo

Nossa própria fábrica de filmes e o futuro de Hollywood

Box Office nos Cinemas

O valor arrecadado por cada filme na sua temporada de exibição nas salas cinema é chamado pelo mercado de box office. Esse valor não inclui os ganhos com a venda ou o aluguel do filme ou os ganhos com a venda dos direitos de exibição do filme em canais de televisão. O box office está exclusivamente condicionado à venda de ingresso para se assistir um filme no cinema. Quanto mais longa for a vida de um filme nas salas de exibição, ele arrecadará mais lucro para os produtores, distribuidores e donos das salas e se tornará mais atraente comercialmente nos outros pontos da cadeia de distribuição, como a venda de mídia física no mercado doméstico ou a exibição em canais de televisão aberta ou paga.

Continuar lendo

Por um Jornalismo Digital com a essência das startups

Na semana passada, o Pew Research Center´s Project for Excellence in Journalism divulgou o The State of The News Media 2013, relatório anual sobre as perspectivas de mercado do jornalismo americano. É a pesquisa mais importante no setor, que evidencia a crise que passar o setor – sobretudo no Brasil. Os problemas apresentados, contudo, chegam a uma solução descrita brevemente no relatório: o Jornalismo Digital precisa se reinventar. Para tanto, um ingrediente nada desprezível está disponível no mercado: a essência e inteligência do universo das startups, empresas que buscam a inovação em seu segmento e operam com uma lógica de experimentação rápida, segundo a qual apenas ideias que logo se mostram promissoras recebem mais investimentos.

Continuar lendo

Twitter, 7 anos: 200 milhões de seguidores e um grande desafio

Às 18h02 (horário de Brasília) do dia 21 de março de 2006, nascia um dos maiores fenômenos tecnológicos e culturais da web. Curiosamente, o Twitter não surgiu para se tornar uma ferramenta popular. Nascido twittr (nome inspirado no site de compartilhamento de imagens Flickr), ele foi criado por Jack Dorsey (programador de software), Evan Williams (fundador do Blogger) e Biz Stone (outro homem por trás do Blogger) como um projeto paralelo de uma empresa de podcasting, a Odeo: a ideia era usar a ferramenta de microblog de 140 caracteres para promover a troca de mensagens de texto no âmbito empresarial. Foi muito além. Hoje, com 200 milhões de usuários – segundo informa a própria empresa nesta quarta-feira – o Twitter se tornou um espaço de diversão, autopromoção, informação e, especialmente, compartilhamento. Williams e Stone já deixaram a empresa, mas a permanência de Dorsey no comando da companhia mostra que seu destino é resumido a um termo: segunda tela. Ele define o hábito de usar a internet para comentar um programa de TV em tempo real.

Continuar lendo