‘Send’ quer acabar com o antigo hábito de enviar links por e-mail

O botão “Curtir”, do Facebook, acaba de completar um ano de vida. Desenvolvido para facilitar a recomendação de links em sites de notícia ou blogs, o recurso mostra que o autor é mais importante do que a própria mensagem propagada na maior rede social do planeta. Ou seja, acessamos determinado conteúdo desde que ele nos tenha sido recomendado por alguém em quem confiamos. É o poder do remetente virtual.

Para celebrar o registro – e ampliar o império do compartilhamento –, a rede apresentou o recurso “Send” (Enviar, em português). Presente primeiramente apenas em 50 sites do exterior – entre eles, as publicações The Wall Street Journal e Washington Post -, o recurso permite que o usuário compartilhe conteúdos com grupos determinados. Na oportunidade, a ideia do Facebook parece ser combater o velho hábito de enviar recomendações por e-mail a várias pessoais. Lembrando: o e-mail segue como a plataforma mais utilizada para compartilhar informação.

A funcionalidade, irmã mais nova e eventual “rival” do Curtir, já está disponível para sites de notícias e blogs. Na ocasião, toda e qualquer pessoa cadastrada na rede de Zuckerberg pode enviar conteúdo para uma vasta lista de contatos – entenda-se aqui usuários cadastrados ou não ao Facebook: contatos por mensagens eletrônicas por Yahoo, Hotmail e Gmail, por exemplo, também entram no pacote.

No entanto, na contramão da facilidade de compartilhamento de informação na rede, cria-se uma nova brecha aos spammers, personagens virtuais que podem encontrar no recurso um serviço para encher a caixa de mensagens do usuário no Facebook com links maliciosos. Indefinidamente, a maior rede social do planeta quer virar a principal ponte de comunicação entre pessoas conectadas.