A Copa dos dados e das previsões — erradas

estadio-copa-do-mundo

O futebol não é uma ciência exata. Mas a segunda edição brasileira da Copa do Mundo já está marcada pelo desfile de dados, estatísticas e projeções — erradas — no universo digital das empresas de Jornalismo. A estatística caiu, literalmente. Mas quem a derrubou? Um futebol vistoso, um entrechoque de estilos opostos que garantem: o que se viu até agora justifica o entusiasmo dos torcedores, mas muito em função do equilíbrio da maioria das seleções. No fim da primeira fase, concluída nesta quinta-feira, já é possível concluir: não há um favorito absoluto para a competição. Muito menos seguir à risca o que os números buscam revelar dentro de campo.

Leia também: Copa das Confederações: faltou inovação
Por um Jornalismo Digital com a essência das startups
As Olimpíadas dos dados

Continuar lendo

Twitter: morte do polvo Paul provoca piadas pelo mundo

A morte de Paul, polvo que ficou famoso pelos certeiros “palpites” para jogos da Copa do Mundo, provocou uma onda de piadas em diversas línguas no Twitter, nesta terça-feira. Como resultado, o assunto emplacou na lista de Trending Topics, com duas variantes: Psychic Octopus (polvo vidente) e Pulpo Paul (polvo Paul).

Americanos, ingleses, espanhóis e, é claro, brasileiros usam a rede para fazer graça. É o caso de Michael Ettlinger: “A ideologia de Paul foi revelada. Autópsia relata depressão após previsão de vitória republicana na Câmara”, uma referência às eleições a serem realizadas nos Estados Unidos no dia 2. Os brasileiros também ligaram Paul à política, dizendo que, a escolher entre os presidenciáveis Dilma e Serra, o polvo preferiu a morte. Confira a seguir outras “homenagens”.

[HTML1]

Fifa recebe 250 milhões de acessos na Copa

A Fifa divulgou nesta terça-feira o número de visitas a seu site durante os 31 dias de realização da Copa do Mundo da África do Sul: 250 milhões – o triplo do registrado no Mundial da Alemanha, quatro anos antes. No Twitter, mais de 220.000 pessoas acompanharam os tweets da entidade máxima do futebol, divididos em três perfis oficiais. O dado pode ser considerado modesto, diante de outros resultados na rede de 140 caracteres: só na decisão entre Holanda e Espanha, no domingo, foram propagados mais de 3 milhões de tweets em menos de duas horas.

Dois duelos simultâneos atraíaram a maior atenção dos torcedores, segundo a Fifa: Inglaterra x Eslovênia e EUA x Argélia, pela fase de classificação – jogos que levaram ingleses e americanos às oitavas-de-final. É difícil, contudo, compreender o quão intensa foi a procura por informações sobre os dois jogos no site. Isso porque a Fifa apresentou um dado que não é mais considerado como referência para a medição de acessos: a taxa de transferência de um milhão de hits por segundo – parâmetro que há tempos foi substituído por impressões.

A final da Copa no Twitter

A Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, não ficará marcada apenas pelo título inédito conquistado neste domingo pela Espanha. A competição será lembrada como a primeira em que as redes sociais de fato mexeram com torcedores em todo o planeta. No Twitter, os mais de 105 milhões de usuários cadastrados encontraram na rede um cenário alternativo para manifestar opiniões. Durante o duelo decisivo entre espanhóis e holandeses, foram produzidos mais de 3 milhões de tweets, segundo medição exclusiva do site da rede de notícias americana CNN.

Antes do início do confronto, eram registrados mais de 5.000 tweets por minuto com referências às seleções holandesa ou espanhola. É tamanho o interesse que sobrou espaço até para o Brasil, fora do Mundial desde as quartas-de-final: Felipe Melo foi lembrado pelos adeptos do Twitter graças ao comportamento violento em campo – ele foi comparado aos holandeses, campeões em número de faltas e cartões na África do Sul.

Eliminação do Brasil da Copa derruba o Twitter

Não foi apenas o Brasil que caiu diante da Holanda, nesta sexta-feira, na Copa do Mundo. A derrota derrubou também o Twitter. A rede de mensagens de até 140 caracteres saiu do ar minutos após a derrota, o que levou a empresa a divulgar um comunicado oficial.

“Recebemos relatórios de erros de usuários tentando enviar mensagens e vamos avaliar o problema”, avisa. A instabilidade começou após a metade do segundo tempo do jogo, quando os comandados de Dunga já perdiam por 2 a 1.

Os dez tópicos mais propagados no site (Trending Topics), até o momento, envolvem de alguma forma o duelo entre Brasil e Holanda. São eles:  Hup Holland Hup, CALA BOCA GALVAO, Arjen Robben, Felipe Melo expulso, Mick Jagger (o líder dos Rolling Stones estava no estádio onde o Brasil jogou e é considerado um pé frio), Wesley Sneijder, Naranja Mecanica , Ganando Holanda, DUNGA BURRO, Adeus Hexa.

Atualizado: o Twitter voltou a funcionar normalmente às 14h17.

A integração entre redes sociais e Itaú para iluminar o céu na Copa

No mínimo interessante a campanha que o Itaú realiza durante a disputa da Copa, na África do Sul. A criação, da agência Africa, produz integração da disputa do evento esportivo mais popular no mundo com interatividade e conexões nas redes sociais mais usadas no país.

A ideia do banco – um dos patrocinadores da seleção brasileira de futebol – é mostrar como o offline potencializa o on-line e vice-versa. Desde o início do Mundial, sete das principais capitais brasileiras ganharam uma iluminação diária com o verde e amarelo em locais específicos traçados estrategicamente. Esse planejamento acaba de chegar ao mundo virtual.

Na web, o site “Feito para você participar” permite conhecer as regiões que ganharam o colorido para celebrar a Copa e aproveitar para compartilhar os movimentos e criações em plataformas como o Facebook e Twitter. A foto acima representa parte de seu ciclo social, estampando sua foto em uma rede – no caso, o Facebook.

Confira o vídeo da campanha:

Tecnologia para assistir à Copa no trabalho

A disputa da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, exige mudanças na rotina de trabalhado no Brasil. Isso porque as partidas acontecem em dois períodos – manhã e tarde –, quando boa parte dos torcedores está no expediente. Para não perder nenhum lance do Mundial, a tecnologia pode dar uma mãozinha. Confira a seguir dispositivos e acessórios que possibilitam assistir aos jogos em celulares ou computador:

Celulares com TV Digital

O TV Phone GM600, da LG, que permite interação móvel entre usuários e emissoras

Os aparelhos que proporcionam a captação do sinal de TV ganharam novo destaque com a disputa da Copa. Os modelos, que variam de 589 a 999 reais, oferecem a programação dos canais abertos. O destaque é o recente lançamento da LG, o TV Phone GM600, primeiro aparelho no país que permite interação móvel entre usuários e emissoras. Nesta edição do Mundial, a Rede Globo já realiza testes com o aparelho, que permitirá a participação dos espectadores em enquetes.

Outros modelos:

STI CTV75 Touchplus DTV (Semp Toshiba):  799 reais

Star Lite TV i6230 (Samsung): 599 reais
StarTV i6220 (Samsung): 899 reais

Scarlet Phone KB 775 (LG): 899 reais
TV Phone GM600 (LG): 699 reais
TV Phone GM630 (LG): 599 reais

Receptor de TV digital para computadores

O Plug TV STI, da Semp Toshiba, permite pausar ou retomar a programção da TV a qualquer momento

Uma opção para captar o sinal de TV digital em computadores é o uso de receptor. Semelhante a um pendrive, o acessório, que custa entre 180 e 275 reais, permite a visualização de emissoras da TV aberta. O Plug TV STI, da Semp Toshiba, é um dos destaques: ele consegue frisar uma cena e agendar horários para a gravação de programas. O item sai por 275 reais.

Outro modelo:

TV FS-01 (Elgin): 200 reais

iPhone, iPod Touch ou iPad

Para assistir a Copa por um iPhone, por exemplo, você pode adquirir um acessório que custa 499 reais

Usuários de dispositivos da Apple também têm chance de assistir ao Mundial, com ajudad o Tivizen Mobile TV Viewer (499 reais), da EUTV – que capta os sinais de TV e os retransmite para os dispositivos Apple. Além disso, é preciso baixar, gratuitamente, um aplicativo na AppleStore, o Tivizen Mobile TV, que habilita os aparelhos a receber o sinal.

Como calar a vuvuzela na Copa da África do Sul

Depois que a Fifa voltou atrás e desistiu de proibir a presença das barulhentas vuvuzelas nos estádios da Copa, muita gente achou que a única alternativa seria reduzir o volume da TV. Há outra saída, porém: alterar a configuração de áudio do seu aparelho.

Para isso, acesse o equalizador gráfico do menu da TV – operação que normalmente pode ser realizada via controle remoto. Uma vez ali, selecione a faixa de frequência de 300Hz e a reduza até o mínimo: o som das vuvuzelas, que gira em torno de 235 Hz, é imediatamente abafado. Você pode tentar também aumentar o sinal das demais faixas de frequência.

O site Anti Vuvuzela Filter oferece outra alternativa – mas ela é bem mais complicada e seu resultado é discutível. O endereço vende um arquivo, pelo valor de 2,95 euros (6,52 reais), que, ao ser reproduzido pelo computador, anula o som desagradável. A onda sonora emitida tem a mesma frequência que a da vuvuzela, mas em fase invertida – o que cancela o zumbido. Mas, para isso, é preciso ligar simultaneamente PC e TV.

As cornetas têm causado irritação pelo mundo inteiro. Um site (Banvuvuzela) decidiu medir o quão enervados estão os torcedores, colocando no ar uma enquete sobre o eventual banimento da corneta: até a manhã desta quinta-feira, 87.400 votos pediam que o brinquedo fosse calado, ante 9.300 a seu favor.

(Por Paula Reverbel)

“Cala boca, Galvão!” no Trending Topic do mundo

Os mais de 9 milhões de brasileiros cadastrados no Twitter já demonstraram, nesta quinta-feira, insatisfações contra Galvão Bueno. Durante a abertura da Copa do Mundo, na África do Sul, o narrador da Rede Globo foi alvo de críticas na rede de mensagens de até 140 caracteres.

A expressão “Cala boca, Galvão!” alcançou o primeiro posto dos tópicos mais produzidos no site em todo o mundo – mostrando certo descontentamento dos usuários da rede ao desempenho do jornalista na cerimônia da abertura do Mundial.

A parceria entre CNN e Foursquare para a Copa do Mundo

Mais um importante veículo acertou uma parceria com o Foursquare, rede social baseada em recomendações que alcançou há poucas semanas 1 milhão de adeptos. Nesta semana, foi a vez da CNN anunciar um acordo durante a disputa da Copa do Mundo, na África do Sul.

O cenário da união entre a rede de TV norte-americana e o Fousquare é o mesmo já visto com outras marcas – e cansativo. Durante o Mundial, CNN oferecerá duas medalhas (badges) aos telespectadores que acompanharem o evento, seja na sede sul-africana ou em qualquer um dos 31 países que disputam a competição.

Locais específicos distribuídos nestas nações já foram mapeados. Para participar da iniciativa, é necessário estar cadastrado no Foursquare e seguir CNN na ferramenta. Além da rede dos EUA, o Foursquare já fez acordos com o diário britânico Financial Times. Neste caso, a estratégia é mais interessante e menos lugar-comum.

O que me preocupa, nessas parcerias, é o anseio midiático em ser pioneiro. Já critiquei em outras oportunidades a supervalorização de pessoas e blogs especializados em torno do serviço. Antes de conhecer, desvendar e aprender sobre a rede, o mais importante – no momento – é se garantir. Mas nem toda garantia pioneira é o mais importante. Não podemos esquecer da limitação de uma rede. Que diga o Second Life.

Posts relacionados
Avoidr para não encontrar seus ‘inimigos’ no Foursquare