A Copa dos dados e das previsões — erradas

estadio-copa-do-mundo

O futebol não é uma ciência exata. Mas a segunda edição brasileira da Copa do Mundo já está marcada pelo desfile de dados, estatísticas e projeções — erradas — no universo digital das empresas de Jornalismo. A estatística caiu, literalmente. Mas quem a derrubou? Um futebol vistoso, um entrechoque de estilos opostos que garantem: o que se viu até agora justifica o entusiasmo dos torcedores, mas muito em função do equilíbrio da maioria das seleções. No fim da primeira fase, concluída nesta quinta-feira, já é possível concluir: não há um favorito absoluto para a competição. Muito menos seguir à risca o que os números buscam revelar dentro de campo.

Leia também: Copa das Confederações: faltou inovação
Por um Jornalismo Digital com a essência das startups
As Olimpíadas dos dados

Continuar lendo

A integração entre redes sociais e Itaú para iluminar o céu na Copa

No mínimo interessante a campanha que o Itaú realiza durante a disputa da Copa, na África do Sul. A criação, da agência Africa, produz integração da disputa do evento esportivo mais popular no mundo com interatividade e conexões nas redes sociais mais usadas no país.

A ideia do banco – um dos patrocinadores da seleção brasileira de futebol – é mostrar como o offline potencializa o on-line e vice-versa. Desde o início do Mundial, sete das principais capitais brasileiras ganharam uma iluminação diária com o verde e amarelo em locais específicos traçados estrategicamente. Esse planejamento acaba de chegar ao mundo virtual.

Na web, o site “Feito para você participar” permite conhecer as regiões que ganharam o colorido para celebrar a Copa e aproveitar para compartilhar os movimentos e criações em plataformas como o Facebook e Twitter. A foto acima representa parte de seu ciclo social, estampando sua foto em uma rede – no caso, o Facebook.

Confira o vídeo da campanha:

A parceria entre CNN e Foursquare para a Copa do Mundo

Mais um importante veículo acertou uma parceria com o Foursquare, rede social baseada em recomendações que alcançou há poucas semanas 1 milhão de adeptos. Nesta semana, foi a vez da CNN anunciar um acordo durante a disputa da Copa do Mundo, na África do Sul.

O cenário da união entre a rede de TV norte-americana e o Fousquare é o mesmo já visto com outras marcas – e cansativo. Durante o Mundial, CNN oferecerá duas medalhas (badges) aos telespectadores que acompanharem o evento, seja na sede sul-africana ou em qualquer um dos 31 países que disputam a competição.

Locais específicos distribuídos nestas nações já foram mapeados. Para participar da iniciativa, é necessário estar cadastrado no Foursquare e seguir CNN na ferramenta. Além da rede dos EUA, o Foursquare já fez acordos com o diário britânico Financial Times. Neste caso, a estratégia é mais interessante e menos lugar-comum.

O que me preocupa, nessas parcerias, é o anseio midiático em ser pioneiro. Já critiquei em outras oportunidades a supervalorização de pessoas e blogs especializados em torno do serviço. Antes de conhecer, desvendar e aprender sobre a rede, o mais importante – no momento – é se garantir. Mas nem toda garantia pioneira é o mais importante. Não podemos esquecer da limitação de uma rede. Que diga o Second Life.

Posts relacionados
Avoidr para não encontrar seus ‘inimigos’ no Foursquare

Um hub móvel de Copa do Mundo

Copa do Mundo, aplicativo de iPod/iPhone da FingerTips

Confesso que, nos últimos meses, o que mais fiz em um iPod Touch foi consumir aplicativos e visualizá-los para buscar a compreensão de como um usuário da plataforma absorve diferentes informações. Aos poucos, fico com a sensação que um site noticioso, produto obrigatório em plataforma móvel, será sinônimo de programa (software). Sai de cena o fim para tornar-se um meio – customizável e que atenda demandas específicas de cada usuário.

E foi neste princípio que encontrei um serviço relevante no campo profissional e, ao mesmo tempo, útil e com  bom caráter de prestação de serviço. O aplicativo Copa do Mundo, desenvolvido pela FingerTips, busca a ideia de tornar-se um centralizador de informações do principal evento esportivo do mundo.

Enquanto o país não tem um recurso oficial de transmissão por plataforma móvel, como a BBC fez recentemente, Copa do Mundo tem aquele espírito de hub – tabelas interativas com a possibilidade de simular resultados, informações das sedes e estádios, história dos jogadores e seleções, além do principal – um alerta para possíveis atualizações, característica que, às vezes, soa como spam em alguns programas. Em Copa do Mundo, é possível ligar um alerta caso queira receber atualizações.

Posts relacionados
Quando mobilidade não é sinônimo de celular